ZONAS MULTIPROPOSITO CON DESCUENTOS PUENTUALES 10%
DESCUENTOS PUNTUALES 10%

Cada vez mais pessoas têm pele sensível e muitas delas nem sequer têm consciência de que sofrem com isso. É importante, além de seguir bons hábitos de cuidado da pele e uma boa dieta, saber identificar os sintomas da pele sensível e evitar, na medida do possível, os fatores que a desencadeiam.

O que é a pele sensível? Quem é afetado?

A pele sensível ou reativa tem um limiar de tolerância inferior a estímulos de vários tipos. Em outras palavras, a hipersensibilidade que carateriza este tipo de pele faz com que a barreira cutânea tolere fatores em menor grau do que uma pele normal toleraria sem problemas.

Ter pele sensível é realmente comum: afeta 1/3 da população adulta. 60% das mulheres sofrem desta condição de pele, enquanto que os homens representam apenas 40%. Além disso, observou-se que as pessoas com um fototipo de pele clara têm uma maior predisposição para desenvolver esta sensibilidade e é geralmente uma manifestação clínica de uma patologia associada como a rosácea, dermatite atópica ou dermatite seborreica, entre muitas outras.

É importante notar que qualquer tipo de pele, seca, oleosa ou mista, pode tornar-se sensível e os sintomas podem manifestar-se a todo o momento ou aparecer quando a pele é exposta a vários fatores externos ou internos (1)(2).

Como reconhecer a pele sensível? Causas

[/vc_custom_fonts][vc_column_text]Esta pele tem certas caraterísticas que a distinguem da pele normal e é importante esclarecer que não é um tipo de pele, mas sim uma condição da pele. Carateriza-se por sensações desagradáveis tais como coceira, aperto, queimação ou ardor, por vezes associadas à secura e vermelhidão.

As principais causas são em primeiro lugar uma alteração na função de barreira da pele (camada da epiderme) que resulta numa maior perda de água transepidérmica (TEWL) e consequentemente leva a uma maior desidratação e secura da pele. Além disso, isto também favorece a penetração de agentes externos que podem ser nocivos porque a pele não é suficientemente forte para resistir a este tipo de exposição, causando irritação e prurido.

Em segundo lugar, alguns estudos mostraram que neste tipo de pele há uma alteração na atividade neurosensorial dos nervos cutâneos que faz com que os terminais nervosos se tornem hipersensíveis e comecem a disparar sinais de dor em resposta a estímulos inofensivos, e libertar também citocinas (substâncias proteicas libertadas pelas células cutâneas) que promovem processos inflamatórios na pele e causam vermelhidão e ardor (2)(3).

Fatores envolvidos na sensibilidade da pele

Os sintomas de pele sensível podem ser causados por fatores externos ou internos e a melhor maneira de preveni-los é evitar a exposição a estes fatores ou reforçar e cuidar da pele tanto por dentro como por fora.

Comecemos por falar de fatores externos, tais como mudanças bruscas de temperatura. Devemos tentar minimizar estas alterações e tomar especial cuidado com calor e frio excessivos, uma vez que isto poderia desencadear a libertação de histamina e causar desconforto na pele, como queimaduras ou picadas. Por conseguinte, é importante evitar duches prolongados e utilizar de preferência água morna para que a pele não seja tão gravemente afetada.

Outro fator que é muito prejudicial para a pele sensível é o sol. A radiação ultravioleta da luz solar causa stresse oxidativo (formação de radicais livres) e inflamação, ao agravar ainda mais os sintomas desta condição. Uma forma de evitar este fator é aplicar diariamente protetor solar SPF50+ para uma cobertura máxima e não se expor diretamente ao sol.

A utilização de fórmulas cosméticas inadequadas pode aumentar os sintomas desta pele, uma vez que contêm certos componentes que a podem irritar e agravar. Por conseguinte, é importante escolher os cosméticos certos e estes devem conter ingredientes ativos compatíveis com a pele sensível.

Quanto aos fatores internos, as alterações hormonais relacionadas com o ciclo menstrual ou o período da menopausa podem produzir efeitos na pele, tais como vermelhidão e aperto, e aumentar a sua sensibilidade. Por conseguinte, é muito importante utilizar cosméticos adaptados às necessidades da pele nesses momentos e seguir bons hábitos de cuidado e descanso.

Por outro lado, fatores como o stresse ou a dieta têm uma influência significativa na sensibilidade da pele. Quando uma pessoa é stressada, as terminações nervosas na pele reagem dilatando os vasos sanguíneos no rosto e pescoço, e causam rubor e queimadura. Uma maneira de evitar isto é gerir o stresse e praticar alguns exercícios de meditação e relaxamento. Foi também demonstrado que o consumo de álcool e alimentos picantes pode promover os sintomas de pele sensível, uma vez que dilatam os vasos sanguíneos ao causar vermelhidão e o álcool também atua como diurético, ao tornar a pele mais seca e mais vulnerável a fatores externos. Evitar este tipo de alimentos e substâncias poderia reduzir estes efeitos sobre a pele e não piorar ainda mais a situação (4).

Cuidados e prevenção da pele sensível

Cuidar da pele sensível é um desafio tanto para o dermatologista como para o doente. O fato de existirem muitos e variados fatores e produtos que provocam estas respostas subjetivas típicas de pele sensível e de cada paciente reagir de forma diferente a cada um deles torna a gestão da pele sensível complicada. Em qualquer caso, qualquer tratamento deve tentar evitar, na medida do possível, os agentes que desencadeiam esta resposta e seguir bons hábitos de cuidado da pele.

É aconselhável seguir uma série de diretrizes para os cuidados e prevenção da resposta da pele sensível:

Manter uma boa hidratação da pele

Hidratar a pele é extremamente importante para manter a função de barreira da pele e prevenir a perda de água transepidérmica (TEWL). Uma boa hidratação torna a pele mais brilhante e com melhor aspeto, mas também a reforça contra elementos externos e agressivos tais como poluição, mudanças de temperatura e o uso diário de cosméticos.

O mais aconselhável é usar cosméticos com ingredientes ativos hidratantes (capazes de prender e reter água na área) como ácido hialurónico, glicerina, ureia, etc... e ingredientes ativos emolientes (são ricos em lípidos e atuam como cimento, ao preencher os espaços entre as células do estrato córneo da pele, e evitam assim a perda de água e reparam a função de barreira) como óleos vegetais, sintéticos e semi-sintéticos, vitamina E e alguns silicones. É também importante notar que a hidratação interna é essencial para manter a nossa pele em boas condições e que beber 2 litros de água por dia ajuda a reduzir significativamente os sintomas e a hiper-reatividade desta pele (1)(5).

Usar alta fotoproteção


É essencial utilizar um fator de proteção elevado para evitar danos excessivos na pele, o que pode agravar os sintomas. A pele sensível tem uma função de barreira enfraquecida, pelo que a exposição à luz solar pode aumentar ainda mais os danos a esta estrutura e tornar a pele mais propensa a desenvolver vermelhidão, aperto, secura e coceira.

É importante que o protetor solar a ser utilizado cubra o máximo de radiação possível, mas sobretudo que proteja contra os raios UVA e UVB. É também importante que contenha apenas filtros minerais ou físicos e nunca químicos, pois estes podem irritar a pele e agravar os sintomas.

A radiação UVA é capaz de penetrar até à camada derme e causar danos na pele, tais como envelhecimento precoce, alergias solares, imunossupressão, danos indiretos de DNA e danos oculares. A radiação UVB, por outro lado, é responsável por danos solares agudos e queimaduras solares, afeta a camada da epiderme em maior grau e pode causar lesões tais como eritema solar, danos diretos do ADN e cancros da pele. Por conseguinte, é importante que a pele sensível e propensa a lesões se proteja deste tipo de radiação e utilize protetores solares com um elevado fator de proteção (6).

Usar cosméticos compatíveis com a pele sensível

 Este é talvez o ponto mais importante quando se trata de uma rotina de cuidados para a pele sensível.

A pele sensível é particularmente reativa a muitos agentes presentes nas fórmulas cosméticas, razão pela qual alguns autores recomendam a utilização de produtos específicos para a "pele sensível", caraterizada pela escassez de ingredientes na sua formulação, a ausência de agentes sensibilizantes, a existência de um número mínimo de agentes irritantes e a ausência de estimulantes sensoriais da pele e de produtos vasodilatadores, que ajudam a garantir que a pele não reaja excessivamente à aplicação de qualquer produto cosmético e que a sua função barreira não seja alterada.

??Para estas peles, o ideal é utilizar cosméticos com ingredientes ativos calmantes e hidratantes, com baixo teor de fragrâncias e livres de parabenos e álcool. Um estudo mostrou que a reatividade da pele de pacientes com pele sensível igualava a da pele normal quando se seguia uma rotina de cuidados da pele com produtos cosméticos com um mínimo de conservantes, fragrâncias e surfactantes durante 8 semanas. Além disso, foi também observada uma melhoria na função de barreira destes pacientes e uma melhor aparência da sua pele, o que mostra que é muito importante adaptar os nossos produtos de cuidado às necessidades da nossa pele  (7).

Porque é que o CBD é benéfico para a pele sensível?

Grafica efecto

El Cannabidiol (CBD) ofrece múltiples beneficios para las afecciones de la piel y su uso se ha incrementado notablemente en la industria cosmética.

Este activo ha demostrado tener grandes resultados en el manejo de la sintomatología de la piel sensible. Como ya se ha mencionado anteriormente, esta piel cursa con una alteración en la función barrera y una hiperexcitación de las terminaciones nerviosas de la piel, lo que provoca síntomas como sequedad, dolor, picor, irritación y quemazón. El CBD actúa aliviando todos estos síntomas mediante distintos mecanismos de acción:

Cuida da tua pele sensível com CBD: dicas para uma rotina diária

A reatividade da pele sensível depende muito dos estímulos a que está sujeita, por isso é muito importante adaptar a nossa rotina de cuidados às necessidades da nossa pele em todos os momentos e escolher sempre os produtos certos.

A primeira coisa a ter em conta ao cuidar da tua pele sensível é que boas medidas de higiene e dietéticas podem resolver uma grande parte do problema.Fazer uma dieta saudável, dormir o suficiente e evitar o stresse e as emoções intensas pode reduzir significativamente os sintomas. Por outro lado, é sempre importante complementar estas medidas com uma boa rotina de cuidados baseada em cremes e óleos que contenham CBD. No The(Beemine)Lab oferecemos-te alguns produtos de cuidado da pele de CBD feitos de ingredientes ativos calmantes e emolientes que são totalmente compatíveis com a pele sensível e que podem ser muito vantajosos e práticos para ti.

O creme hidratante CBD é especialmente indicado para acalmar e reparar a pele sensível devido ao seu elevado conteúdo de ingredientes ativos calmantes e hidratantes (aloé vera, calêndula, manteiga de carité, águas termais...) que ajudam a reparar os danos cutâneos e a manter o equilíbrio hídrico da pele. Por outro lado, o canabidiol atuará como um anti-inflamatório, ao reduzir a vermelhidão e aliviar a coceira e a comichão da pele. Outros ingredientes tais como mel, cera de abelha e óleo de cânhamo são capazes de nutrir a pele e restaurar a função de barreira, ao reabastecer a película hidrolipídica. Além disso, o seu elevado teor de antioxidantes (flavonóides, vitaminas e minerais) irá prevenir o envelhecimento da pele e proteger a pele de agressões externas. Podes incluir este creme na tua rotina diária aplicando-o de manhã e à noite sobre a pele limpa e sempre depois de aplicar o teu sérum habitual, de preferência de natureza semelhante a este creme e que proporcione muita hidratação.

Outro produto que poderias utilizar é o nosso óleo CBD 3%. Este produto estrela, que contém CBD como principal ingrediente ativo, é também rico em antioxidantes, ácidos gordos e aminoácidos essenciais que atuarão ao fornecer emoliência e hidratação e reabastecerão os lípidos no cimento intercorneocitário da pele, ao proteger a barreira cutânea e aumentar assim o limiar de tolerância da pele. O canabidiol irá acalmar e reduzir a coceira associada à inflamação cutânea e proporcionar um efeito analgésico que ajudará a reduzir a sobreexcitação dos nervos cutâneos. Este óleo pode ser aplicado de manhã e à noite na cara 3 vezes por semana. Podemos aplicá-lo sozinhos: aquecer previamente o óleo com as nossas mãos e aplicá-lo através de massagens circulares por todo o rosto ou em conjunto com o creme hidratante que iremos aplicar previamente. Outra opção é adicionar uma gota de óleo todos os dias em cima do creme hidratante CBD (ou o creme hidratante que utilizemos), para reforçar assim o efeito de ambos os produtos.

Em conclusão, é muito importante utilizar tanto o creme como o óleo para cuidar da pele sensível, uma vez que o creme irá reabastecer e manter a água dentro da pele, enquanto o óleo irá fornecer nutrição e formar uma película sobre a pele que irá evitar a perda de água transepidérmica, ao reforçar assim a função de barreira. Finalmente, nunca devemos esquecer o fotoprotetor como último passo na nossa rotina e estar conscientes de que a pele sensível necessita de mais cuidado e constância.

bannerBibliografia:

  1. Escalas Taberner, J., Guerra Tapia, A., y Segura Rodríguez, R.(2011). La piel sensible. Más Dermatol.,13, 4-13.
  2. Escalas-Taberner, J., González-Guerra,E., Guerra-Tapi, A.(2011). Sensitive Skin: A Complex Syndrome. Actas Dermosifiliogr, 102(8), 563-571.
  3. Morizot T, Guinot C, Lopez S, LeFur I, Tschachler E.(2000). Sensitive skin: analysis of symptoms, perceived causes and possible mechanisms. Cosm Toil, 115, 83–88.
  4. Neelam Muizzuddin, Kenneth D. Marenus, and Daniel l-l. Maes.(1998). Factors Defining Sensitive Skin and its Treatment. American Journal of Contact Dermatitis, 9(3), 170-175.
  5. Draelos, Z.D.(1997). Sensitive skin: perceptions, evaluation, and treatment. Contact Dermat.,8(2): 67-78.
  6. https://medlineplus.gov/spanish/ency/patientinstructions/000378.htm
  7. West, .I, Maibach, H.I. (1995). Contact urticaria syndrome from multiple cosmetic components. Contact dermatitis, 32, 121-.
  8. Costache, Daniel Octavian, Constantin, Carolina, Calina, Daniela;,Caruntu, Constantin, Costache, Raluca Simona, Caruntu, Ana (2020). Cannabinoids in the Pathophysiology of Skin Inflammation. Molecules, 25(3), 652–.
  9. Avila C, Massick S, Kaffenberger BH, Kwatra SG, Bechtel M, Cannabinoids for the Treatment of Chronic Pruritus: A Review, Journal of the American Academy of Dermatology (2020), doi: https://doi.org/10.1016/j.jaad.2020.01.036.
  10. S. Ständer, S.W. Schneider, C. Weishaupt, T.A. Luger, L. Misery.(2009). Putative neuronal mechanisms of sensitive skin. Exp Dermatol,18, 417-423.

Cada vez mais pessoas têm pele sensível e muitas delas nem sequer têm consciência de que sofrem com isso. É importante, além de seguir bons hábitos de cuidado da pele e uma boa dieta, saber identificar os sintomas da pele sensível e evitar, na medida do possível, os fatores que a desencadeiam.

O que é a pele sensível? Quem é afetado?

A pele sensível ou reativa tem um limiar de tolerância inferior a estímulos de vários tipos. Em outras palavras, a hipersensibilidade que carateriza este tipo de pele faz com que a barreira cutânea tolere fatores em menor grau do que uma pele normal toleraria sem problemas.

Ter pele sensível é realmente comum: afeta 1/3 da população adulta. 60% das mulheres sofrem desta condição de pele, enquanto que os homens representam apenas 40%. Além disso, observou-se que as pessoas com um fototipo de pele clara têm uma maior predisposição para desenvolver esta sensibilidade e é geralmente uma manifestação clínica de uma patologia associada como a rosácea, dermatite atópica ou dermatite seborreica, entre muitas outras.

É importante notar que qualquer tipo de pele, seca, oleosa ou mista, pode tornar-se sensível e os sintomas podem manifestar-se a todo o momento ou aparecer quando a pele é exposta a vários fatores externos ou internos (1)(2).

Como reconhecer a pele sensível? Causas

Esta pele tem certas caraterísticas que a distinguem da pele normal e é importante esclarecer que não é um tipo de pele, mas sim uma condição da pele. Carateriza-se por sensações desagradáveis tais como coceira, aperto, queimação ou ardor, por vezes associadas à secura e vermelhidão.

As principais causas são em primeiro lugar uma alteração na função de barreira da pele (camada da epiderme) que resulta numa maior perda de água transepidérmica (TEWL) e consequentemente leva a uma maior desidratação e secura da pele. Além disso, isto também favorece a penetração de agentes externos que podem ser nocivos porque a pele não é suficientemente forte para resistir a este tipo de exposição, causando irritação e prurido.

Em segundo lugar, alguns estudos mostraram que neste tipo de pele há uma alteração na atividade neurosensorial dos nervos cutâneos que faz com que os terminais nervosos se tornem hipersensíveis e comecem a disparar sinais de dor em resposta a estímulos inofensivos, e libertar também citocinas (substâncias proteicas libertadas pelas células cutâneas) que promovem processos inflamatórios na pele e causam vermelhidão e ardor (2)(3).

Fatores envolvidos na sensibilidade da pele

Os sintomas de pele sensível podem ser causados por fatores externos ou internos e a melhor maneira de preveni-los é evitar a exposição a estes fatores ou reforçar e cuidar da pele tanto por dentro como por fora.

Comecemos por falar de fatores externos, tais como mudanças bruscas de temperatura. Devemos tentar minimizar estas alterações e tomar especial cuidado com calor e frio excessivos, uma vez que isto poderia desencadear a libertação de histamina e causar desconforto na pele, como queimaduras ou picadas. Por conseguinte, é importante evitar duches prolongados e utilizar de preferência água morna para que a pele não seja tão gravemente afetada.

Outro fator que é muito prejudicial para a pele sensível é o sol. A radiação ultravioleta da luz solar causa stresse oxidativo (formação de radicais livres) e inflamação, ao agravar ainda mais os sintomas desta condição. Uma forma de evitar este fator é aplicar diariamente protetor solar SPF50+ para uma cobertura máxima e não se expor diretamente ao sol.

A utilização de fórmulas cosméticas inadequadas pode aumentar os sintomas desta pele, uma vez que contêm certos componentes que a podem irritar e agravar. Por conseguinte, é importante escolher os cosméticos certos e estes devem conter ingredientes ativos compatíveis com a pele sensível.

Quanto aos fatores internos, as alterações hormonais relacionadas com o ciclo menstrual ou o período da menopausa podem produzir efeitos na pele, tais como vermelhidão e aperto, e aumentar a sua sensibilidade. Por conseguinte, é muito importante utilizar cosméticos adaptados às necessidades da pele nesses momentos e seguir bons hábitos de cuidado e descanso.

Por outro lado, fatores como o stresse ou a dieta têm uma influência significativa na sensibilidade da pele. Quando uma pessoa é stressada, as terminações nervosas na pele reagem dilatando os vasos sanguíneos no rosto e pescoço, e causam rubor e queimadura. Uma maneira de evitar isto é gerir o stresse e praticar alguns exercícios de meditação e relaxamento. Foi também demonstrado que o consumo de álcool e alimentos picantes pode promover os sintomas de pele sensível, uma vez que dilatam os vasos sanguíneos ao causar vermelhidão e o álcool também atua como diurético, ao tornar a pele mais seca e mais vulnerável a fatores externos. Evitar este tipo de alimentos e substâncias poderia reduzir estes efeitos sobre a pele e não piorar ainda mais a situação (4).

Cuidados e prevenção da pele sensível

Cuidar da pele sensível é um desafio tanto para o dermatologista como para o doente. O fato de existirem muitos e variados fatores e produtos que provocam estas respostas subjetivas típicas de pele sensível e de cada paciente reagir de forma diferente a cada um deles torna a gestão da pele sensível complicada. Em qualquer caso, qualquer tratamento deve tentar evitar, na medida do possível, os agentes que desencadeiam esta resposta e seguir bons hábitos de cuidado da pele.

É aconselhável seguir uma série de diretrizes para os cuidados e prevenção da resposta da pele sensível:

Manter uma boa hidratação da pele

Hidratar a pele é extremamente importante para manter a função de barreira da pele e prevenir a perda de água transepidérmica (TEWL). Uma boa hidratação torna a pele mais brilhante e com melhor aspeto, mas também a reforça contra elementos externos e agressivos tais como poluição, mudanças de temperatura e o uso diário de cosméticos.

O mais aconselhável é usar cosméticos com ingredientes ativos hidratantes (capazes de prender e reter água na área) como ácido hialurónico, glicerina, ureia, etc... e ingredientes ativos emolientes (são ricos em lípidos e atuam como cimento, ao preencher os espaços entre as células do estrato córneo da pele, e evitam assim a perda de água e reparam a função de barreira) como óleos vegetais, sintéticos e semi-sintéticos, vitamina E e alguns silicones. É também importante notar que a hidratação interna é essencial para manter a nossa pele em boas condições e que beber 2 litros de água por dia ajuda a reduzir significativamente os sintomas e a hiper-reatividade desta pele (1)(5).

Usar alta fotoproteção


É essencial utilizar um fator de proteção elevado para evitar danos excessivos na pele, o que pode agravar os sintomas. A pele sensível tem uma função de barreira enfraquecida, pelo que a exposição à luz solar pode aumentar ainda mais os danos a esta estrutura e tornar a pele mais propensa a desenvolver vermelhidão, aperto, secura e coceira.

É importante que o protetor solar a ser utilizado cubra o máximo de radiação possível, mas sobretudo que proteja contra os raios UVA e UVB. É também importante que contenha apenas filtros minerais ou físicos e nunca químicos, pois estes podem irritar a pele e agravar os sintomas.

A radiação UVA é capaz de penetrar até à camada derme e causar danos na pele, tais como envelhecimento precoce, alergias solares, imunossupressão, danos indiretos de DNA e danos oculares. A radiação UVB, por outro lado, é responsável por danos solares agudos e queimaduras solares, afeta a camada da epiderme em maior grau e pode causar lesões tais como eritema solar, danos diretos do ADN e cancros da pele. Por conseguinte, é importante que a pele sensível e propensa a lesões se proteja deste tipo de radiação e utilize protetores solares com um elevado fator de proteção (6).

Usar cosméticos compatíveis com a pele sensível

 Este é talvez o ponto mais importante quando se trata de uma rotina de cuidados para a pele sensível.

A pele sensível é particularmente reativa a muitos agentes presentes nas fórmulas cosméticas, razão pela qual alguns autores recomendam a utilização de produtos específicos para a "pele sensível", caraterizada pela escassez de ingredientes na sua formulação, a ausência de agentes sensibilizantes, a existência de um número mínimo de agentes irritantes e a ausência de estimulantes sensoriais da pele e de produtos vasodilatadores, que ajudam a garantir que a pele não reaja excessivamente à aplicação de qualquer produto cosmético e que a sua função barreira não seja alterada.

??Para estas peles, o ideal é utilizar cosméticos com ingredientes ativos calmantes e hidratantes, com baixo teor de fragrâncias e livres de parabenos e álcool. Um estudo mostrou que a reatividade da pele de pacientes com pele sensível igualava a da pele normal quando se seguia uma rotina de cuidados da pele com produtos cosméticos com um mínimo de conservantes, fragrâncias e surfactantes durante 8 semanas. Além disso, foi também observada uma melhoria na função de barreira destes pacientes e uma melhor aparência da sua pele, o que mostra que é muito importante adaptar os nossos produtos de cuidado às necessidades da nossa pele  (7).

Porque é que o CBD é benéfico para a pele sensível?

Grafica efecto

El Cannabidiol (CBD) ofrece múltiples beneficios para las afecciones de la piel y su uso se ha incrementado notablemente en la industria cosmética.

Este activo ha demostrado tener grandes resultados en el manejo de la sintomatología de la piel sensible. Como ya se ha mencionado anteriormente, esta piel cursa con una alteración en la función barrera y una hiperexcitación de las terminaciones nerviosas de la piel, lo que provoca síntomas como sequedad, dolor, picor, irritación y quemazón. El CBD actúa aliviando todos estos síntomas mediante distintos mecanismos de acción:

Cuida da tua pele sensível com CBD: dicas para uma rotina diária

A reatividade da pele sensível depende muito dos estímulos a que está sujeita, por isso é muito importante adaptar a nossa rotina de cuidados às necessidades da nossa pele em todos os momentos e escolher sempre os produtos certos.

A primeira coisa a ter em conta ao cuidar da tua pele sensível é que boas medidas de higiene e dietéticas podem resolver uma grande parte do problema.Fazer uma dieta saudável, dormir o suficiente e evitar o stresse e as emoções intensas pode reduzir significativamente os sintomas. Por outro lado, é sempre importante complementar estas medidas com uma boa rotina de cuidados baseada em cremes e óleos que contenham CBD. No The(Beemine)Lab oferecemos-te alguns produtos de cuidado da pele de CBD feitos de ingredientes ativos calmantes e emolientes que são totalmente compatíveis com a pele sensível e que podem ser muito vantajosos e práticos para ti.

O creme hidratante CBD é especialmente indicado para acalmar e reparar a pele sensível devido ao seu elevado conteúdo de ingredientes ativos calmantes e hidratantes (aloé vera, calêndula, manteiga de carité, águas termais...) que ajudam a reparar os danos cutâneos e a manter o equilíbrio hídrico da pele. Por outro lado, o canabidiol atuará como um anti-inflamatório, ao reduzir a vermelhidão e aliviar a coceira e a comichão da pele. Outros ingredientes tais como mel, cera de abelha e óleo de cânhamo são capazes de nutrir a pele e restaurar a função de barreira, ao reabastecer a película hidrolipídica. Além disso, o seu elevado teor de antioxidantes (flavonóides, vitaminas e minerais) irá prevenir o envelhecimento da pele e proteger a pele de agressões externas. Podes incluir este creme na tua rotina diária aplicando-o de manhã e à noite sobre a pele limpa e sempre depois de aplicar o teu sérum habitual, de preferência de natureza semelhante a este creme e que proporcione muita hidratação.

Outro produto que poderias utilizar é o nosso óleo CBD 3%. Este produto estrela, que contém CBD como principal ingrediente ativo, é também rico em antioxidantes, ácidos gordos e aminoácidos essenciais que atuarão ao fornecer emoliência e hidratação e reabastecerão os lípidos no cimento intercorneocitário da pele, ao proteger a barreira cutânea e aumentar assim o limiar de tolerância da pele. O canabidiol irá acalmar e reduzir a coceira associada à inflamação cutânea e proporcionar um efeito analgésico que ajudará a reduzir a sobreexcitação dos nervos cutâneos. Este óleo pode ser aplicado de manhã e à noite na cara 3 vezes por semana. Podemos aplicá-lo sozinhos: aquecer previamente o óleo com as nossas mãos e aplicá-lo através de massagens circulares por todo o rosto ou em conjunto com o creme hidratante que iremos aplicar previamente. Outra opção é adicionar uma gota de óleo todos os dias em cima do creme hidratante CBD (ou o creme hidratante que utilizemos), para reforçar assim o efeito de ambos os produtos.

Em conclusão, é muito importante utilizar tanto o creme como o óleo para cuidar da pele sensível, uma vez que o creme irá reabastecer e manter a água dentro da pele, enquanto o óleo irá fornecer nutrição e formar uma película sobre a pele que irá evitar a perda de água transepidérmica, ao reforçar assim a função de barreira. Finalmente, nunca devemos esquecer o fotoprotetor como último passo na nossa rotina e estar conscientes de que a pele sensível necessita de mais cuidado e constância.

bannerBibliografia:

  1. Escalas Taberner, J., Guerra Tapia, A., y Segura Rodríguez, R.(2011). La piel sensible. Más Dermatol.,13, 4-13.
  2. Escalas-Taberner, J., González-Guerra,E., Guerra-Tapi, A.(2011). Sensitive Skin: A Complex Syndrome. Actas Dermosifiliogr, 102(8), 563-571.
  3. Morizot T, Guinot C, Lopez S, LeFur I, Tschachler E.(2000). Sensitive skin: analysis of symptoms, perceived causes and possible mechanisms. Cosm Toil, 115, 83–88.
  4. Neelam Muizzuddin, Kenneth D. Marenus, and Daniel l-l. Maes.(1998). Factors Defining Sensitive Skin and its Treatment. American Journal of Contact Dermatitis, 9(3), 170-175.
  5. Draelos, Z.D.(1997). Sensitive skin: perceptions, evaluation, and treatment. Contact Dermat.,8(2): 67-78.
  6. https://medlineplus.gov/spanish/ency/patientinstructions/000378.htm
  7. West, .I, Maibach, H.I. (1995). Contact urticaria syndrome from multiple cosmetic components. Contact dermatitis, 32, 121-.
  8. Costache, Daniel Octavian, Constantin, Carolina, Calina, Daniela;,Caruntu, Constantin, Costache, Raluca Simona, Caruntu, Ana (2020). Cannabinoids in the Pathophysiology of Skin Inflammation. Molecules, 25(3), 652–.
  9. Avila C, Massick S, Kaffenberger BH, Kwatra SG, Bechtel M, Cannabinoids for the Treatment of Chronic Pruritus: A Review, Journal of the American Academy of Dermatology (2020), doi: https://doi.org/10.1016/j.jaad.2020.01.036.
  10. S. Ständer, S.W. Schneider, C. Weishaupt, T.A. Luger, L. Misery.(2009). Putative neuronal mechanisms of sensitive skin. Exp Dermatol,18, 417-423.

O CBD é uma substância natural que pode trazer muitos benefícios para o corpo humano e pode ser absorvida de diferentes formas, tanto interna como externamente.

De acordo com a via de administração utilizada, podem variar o tempo que demora para os efeitos do CBD aparecerem, a sua duração e potência.

Neste artigo irás descobrir as diferenças entre as diferentes formas de absorção do CBD e poderás escolher qual a via de administração mais adequada à tua situação e descobrir quais são os produtos disponíveis.

Absorção de óleo de CBD

O óleo de CBD pode ser aplicado internamente, através da via pulmonar, sublingual ou ingerido, para obter um efeito sistêmico, ou seja, generalizado e distribuído por todo o corpo. 

Em contraste, atraves da via externa, o efeito concentra-se na área de aplicação sem gerar efeitos sistêmicos, a menos que a via transdérmica seja utilizada, através da qual a substância entra na corrente sanguínea e o efeito é generalizado em todo o corpo.

Legalidade dos usos de absorção do óleo de CBD

De acordo com a regulamentação de cada país, existem produtos que podem ser utilizados de forma completamente legal e outros que permanecem no limbo legal, uma vez que a sua utilização não está regulamentada, mas são comercializados sob outros tipos de registo.

Em geral, a utilização externa é regulada na Europa e só podem ser comercializados produtos cosméticos que contém CBD na sua forma isolada ou sintética, embora existam países que permitem a produção e distribuição de produtos cosméticos que contém extratos de CBD de largo espectro, ou seja, ao manter a presença de outros componentes e fitocanabinóides incluindo o THC (numa concentração inferior a 0,2%).

O uso interno, por outro lado, tem nuances diferentes:

Por outro lado, a utilização de óleos de CBD para vaping é permitida, embora esteja a ser regulamentada gradualmente, ao ser um produto muito mais atual e até há poucos anos quase desconhecido. 

(1-2)

CBD por inalação: efeitos de início rápido

Através da via inalatória, o efeito aparece imediatamente, atinge a sua potência máxima após alguns minutos (2-5) e diminui gradualmente até desaparecer após 2-3 horas. 

Consequentemente, é a melhor opção para obter o efeito mais rapidamente, embora não garanta uma longa duração. No campo terapêutico, a inalação é utilizada como forma de resgate, uma vez que o CBD pode ser administrado na altura certa e nas quantidades certas para cada situação. 

O fato de optar pela vaporização permite aumentar a biodisponibilidade (que seria a capacidade de absorção) em até 50%, contra 30% da forma fumada, o que também leva à produção de substâncias cancerígenas.

(4-5)

CBD sublingual (óleo de CBD debaixo da língua): efeitos de início moderados

Pela via sublingual o efeito não se produz imediatamente, mas normalmente começa após 20-30 minutos e permanece estável durante cerca de 6 horas antes de desaparecer gradualmente.

Tomar o óleo de CBD de forma sublingual é a melhor forma de assegurar um efeito estável e duradouro, e é a melhor forma de tomar CBD num ambiente terapêutico de forma constante e de obter um efeito contínuo.

Ao ser absorvido através da mucosa sublingual, o CBD entra na corrente sanguínea sem passar pelo sistema digestivo, pelo que a biodisponibilidade pode atingir até 40% e evita-se uma possível interação farmacológica.

Comestíveis de CBD (gomas e cápsulas): efeitos de início lento 

Através da ingestão, o CBD entra no sistema digestivo, pelo que o efeito pode demorar entre 1 e 3 horas a aparecer, dependendo do metabolismo de cada pessoa, do tipo de produto consumido e dos alimentos ingeridos antes ou depois. A duração do efeito é longa e pode chegar até 8 horas, embora seja instável, com altos e baixos. 

O CBD é absorvido pelo sistema digestivo através do fígado no qual podem ocorrer interações com drogas (que são absorvidas através do mesmo canal), pelo que a via ingerida é a menos recomendada a nível medicinal, e também devido às transformações dos sumos digestivos a biodisponibilidade diminui até 5-10%.

(7)

Tópicos de CBD: Efeitos localizados de início rápido

Como mencionado acima, através da via tópica o efeito do óleo de CBD não é sistêmico, mas concentrado na área superficial da área de aplicação.

A pele tem uma capacidade de absorção limitada, pelo que os cosméticos têm normalmente uma baixa concentração e, de acordo com o tipo de produto (óleo, pomada ou creme) e dos componentes que acompanham o CBD (óleos essenciais e outros ingredientes), o efeito pode demorar 15-20 minutos a aparecer e durar 2-3 horas.

A via externa representa uma forma completamente segura de utilizar o óleo de CBD, embora as suas propriedades não possam ser utilizadas de forma sistemática. Medicinalmente, é um bom tratamento complementar para reforçar e concentrar o efeito sobre uma área específica.

(8-9)

Tempo do início dos efeitos do CBD sob condições específicas

Em cada situação é possível escolher diferentes ferramentas e combinar diferentes formas de utilização, a fim de otimizar um efeito terapêutico tanto para a sintomatologia aguda como crónica.

Quanto tempo demora o óleo de CBD a fazer efeito para as dores articulares?

No caso de dores articulares, é possível agir imediatamente sobre os sintomas agudos, principalmente através do uso infamatório e tópico, sendo necessário realizar um tratamento mais contínuo durante algumas semanas e integrar as vias sublingual e tópica, a fim de observar melhorias mais estáveis que podem ser mantidas mesmo quando o efeito do CBD diminui.

(10-11-12)

Quanto tempo demora o óleo de CBD a fazer efeito para a dor crónica e neuropática?

Para dores mais crónicas ou neuropáticas, é necessário utilizar a via sublingual de forma contínua para alcançar melhorias estáveis, embora o alívio de picos de dor aguda possa ser alcançado através da inalação. Pode levar algumas semanas para ver melhorias significativas, embora os efeitos calmantes sejam perceptíveis desde os primeiros dias.

Quanto tempo demora o óleo de CBD a ter um efeito sobre o sono?

De acordo com a situação de cada pessoa e das razões que podem causar problemas de sono, podem ser escolhidas diferentes opções:

(13-14)

Quanto tempo demora o óleo de CBD a fazer efeito para a ansiedade?

Uma crise de ansiedade e um ataque de pânico podem surgir de forma pontual e rápida, pelo que é necessária a via mais rápida disponível, representada pela inalação.

Contudo, uma crise aguda pode ser causada por um estado de ansiedade mais crónico e generalizado, pelo que a via sublingual representaria a melhor opção para obter uma redução na intensidade e/ou frequência de futuras crises agudas e favorecer uma melhoria geral do estado de espírito após algumas semanas.

(14)

Tempos de aparecimento dos efeitos dos extratos do CBD

Quanto tempo demora o óleo de CBD a fazer efeito contra a irritação da pele?

Existem óleos que contêm apenas CBD na sua forma purificada e isolada, enquanto outros são feitos com um extrato de CBD altamente concentrado que também retém a presença de outros fitocanabinóides e terpenos, chamados óleos de espetro total por este motivo. 

O efeito do CBD é reforçado pela presença dos outros compostos, pelo que se manifestará mais eficazmente em produtos de espectro total, enquanto que com produtos que utilizam CBD na sua forma pura o efeito será menos potente ou será necessária uma dosagem mais elevada (ou ambas). (17)

Por esta razão, existem também os chamados óleos de largo espectro nos quais o CBD é acompanhado por terpenos e outros fitocanabinóides, com exclusão total do THC, do que não há vestígios.

Bibliografia:

1 - https://www.emcdda.europa.eu/news/2020/cannabidiol-cbd-is-not-considered-a-narcotic-drug-under-european-law_en

2 - Cannabis-based medicines–GW pharmaceuticals: high CBD, high THC, medicinal cannabis–GW pharmaceuticals, THC:CBD. (2003). Drugs in R&D, 4(5), 306–309.

3 - Hosseini, A., McLachlan, A. J., & Lickliter, J. D. (2021). A phase I trial of the safety, tolerability and pharmacokinetics of cannabidiol administered as single-dose oil solution and single and multiple doses of a sublingual wafer in healthy volunteers. British journal of clinical pharmacology, 87(4), 2070–2077.

4 - McGilveray I. J. (2005). Pharmacokinetics of cannabinoids. Pain research & management, 10 Suppl A, 15A–22A

5 - Lanz, C., Mattsson, J., Soydaner, U., & Brenneisen, R. (2016). Medicinal Cannabis: In Vitro Validation of Vaporizers for the Smoke-Free Inhalation of Cannabis. PloS one, 11(1)

6 - Narang, N.C., Sharma, J., & Baba, S. (2011). SUBLINGUAL MUCOSA AS A ROUTE FOR SYSTEMIC DRUG DELIVERY

7 - Chayasirisobhon S. (2020). Mechanisms of Action and Pharmacokinetics of Cannabis. The Permanente journal, 25, 1–3

8 - Kupczyk, P., Reich, A., & Szepietowski, J. C. (2009). Cannabinoid system in the skin – a possible target for future therapies in dermatology. Experimental dermatology, 18(8), 669–679

9 - Eagleston, L., Kalani, N. K., Patel, R. R., Flaten, H. K., Dunnick, C. A., & Dellavalle, R. P. (2018). Cannabinoids in dermatology: a scoping review. Dermatology online journal, 24(6), 13030/qt7pn8c0saswan, S. M., Klosner, A. E., Glynn, K., Rajgopal, A., Malik, K., Yim, S., & Stern, N. (2020). Therapeutic Potential of Cannabidiol (CBD) for Skin Health and Disorders. Clinical, cosmetic and investigational dermatology, 13, 927–942

10 - Mlost, J., Bryk, M., & Starowicz, K. (2020). Cannabidiol for Pain Treatment: Focus on Pharmacology and Mechanism of Action. International journal of molecular sciences, 21(22), 8870. https://doi.org/10.3390/ijms21228870

11 - Urits, I., Gress, K., Charipova, K., Habib, K., Lee, D., Lee, C., Jung, J. W., Kassem, H., Cornett, E., Paladini, A., Varrassi, G., Kaye, A. D., & Viswanath, O. (2020). Use of cannabidiol (CBD) for the treatment of chronic pain. Best practice & research. Clinical anaesthesiology, 34(3), 463–477. https://doi.org/10.1016/j.bpa.2020.06.004

12 - Verrico, C. D., Wesson, S., Konduri, V., Hofferek, C. J., Vazquez-Perez, J., Blair, E., Dunner, K., Jr, Salimpour, P., Decker, W. K., & Halpert, M. M. (2020). A randomized, double-blind, placebo-controlled study of daily cannabidiol for the treatment of canine osteoarthritis pain. Pain, 161(9), 2191–2202. https://doi.org/10.1097/j.pain.0000000000001896

13 - Babson, K. A., Sottile, J., & Morabito, D. (2017). Cannabis, Cannabinoids, and Sleep: a Review of the Literature. Current psychiatry reports, 19(4), 23. https://doi.org/10.1007/s11920-017-0775-9

14 - Shannon, S., Lewis, N., Lee, H., & Hughes, S. (2019). Cannabidiol in Anxiety and Sleep: A Large Case Series. The Permanente journal, 23, 18–041. https://doi.org/10.7812/TPP/18-041

15 - Sangiovanni, E., Fumagalli, M., Pacchetti, B., Piazza, S., Magnavacca, A., Khalilpour, S., Melzi, G., Martinelli, G., & Dell'Agli, M. (2019). Cannabis sativa L. extract and cannabidiol inhibit in vitro mediators of skin inflammation and wound injury. Phytotherapy research : PTR, 33(8), 2083–2093. https://doi.org/10.1002/ptr.6400

16 - Palmieri, B., Laurino, C., & Vadalà, M. (2019). A therapeutic effect of cbd-enriched ointment in inflammatory skin diseases and cutaneous scars. La Clinica terapeutica, 170(2), e93–e99. https://doi.org/10.7417/CT.2019.2116

Efeitos do tabagismo

O tabaco é uma planta cujas folhas foram fumadas, mastigadas ou cheiradas durante centenas de anos. O tabaco contém nicotina como substância ativa, mas também contém mais de 7.000 produtos químicos, dos quais pelo menos 70 são conhecidos por causar cancro (1).

As doenças cardiovasculares nos fumadores são três vezes mais elevadas do que no resto da população.

Fumar um cigarro envolve a exposição a numerosas substâncias tóxicas e insalubres, para além do risco de desenvolver dependência. O monóxido de carbono, uma das principais toxinas, é encontrado no fumo do tabaco e passa para o sangue através dos pulmões nos alvéolos. É responsável por danos no sistema vascular, por um lado, e por uma diminuição do transporte de oxigénio para os tecidos do nosso corpo, por outro. Provoca fadiga, tosse e expectoração e, em contraste com a imagem atraente que por vezes tem, o tabaco produz algumas alterações indesejáveis pouco depois de começar a ser consumido, entre as quais encontramos:

A médio prazo, pode causar vários problemas ou riscos de saúde não tão bem conhecidos, tais como:

A longo prazo, é a principal causa de cancro do pulmão, doença pulmonar obstrutiva crónica (DPOC) e arteriosclerose periférica (má circulação sanguínea), bem como uma das principais causas de doença cardiovascular e cerebrovascular. Fumar também causa outras doenças crónicas e aumenta o risco de doenças em pessoas que fumam em comparação com não fumadores. As doenças causadas pelo uso do tabaco têm um forte impacto na esperança de vida nas sociedades ocidentais. As quatro principais causas de mortalidade são cancro, doença cardiovascular, doença cerebrovascular e doença pulmonar obstrutiva crónica, bem como a obesidade (3).

Porque é que é tão difícil deixar de fumar?

Não há dúvida que a dependência do tabaco é um problema de saúde e que deve ser abordado como tal e de forma coordenada por todo o grupo de profissionais de saúde e, em geral, por todos os organismos com o poder de modificar os hábitos sociais. Uma vez que sabemos tudo isto, temos de nos perguntar: por que razão deixar de fumar é sempre um grande desafio?

Para o fazer, devemos compreender que a nicotina é potencialmente viciante devido aos certos efeitos "positivos" que pode produzir. Como estimulante, liga-se aos recetores nicotínicos (nAChRs) e produz euforia, melhora a atenção, aumenta a vigília e diminui o tempo de reação. Estes efeitos são produzidos pelo aumento de certos neurotransmissores tais como a dopamina, a acetilcolina ou a noradrenalina. Os fumadores relatam que fumar os desperta, alivia a sua memória, acalma-os e ajuda-os a lidar com o stresse. Estes efeitos "positivos" só são sentidos por fumadores regulares, uma vez que a nicotina é principalmente desorientadora para os não fumadores, e é necessária uma exposição repetida para que os efeitos positivos de reforço da nicotina sejam estabelecidos.

Na realidade, porém, muitos dos efeitos que podem ser observados nos fumadores são principalmente devidos a uma atenuação da sintomatologia da abstinência, detectável sobretudo ao acordar de manhã após o período de privação noturna. A dependência e subsequente retirada deve-se principalmente à ativação do sistema de recompensa no cérebro, mediada principalmente pelo neurotransmissor dopamina entre a área tegmental ventral e os núcleos acusados (ver imagem) (3 e 4).

Interacción de la nicotina en el sistema de recompensa.

Quando uma pessoa deixa de fumar, é confrontada com uma fase típica de abstinência que se inicia após algumas horas e atinge o seu pico dentro das 24-48 horas. Desejo urgente de fumar, ansiedade, tensão, irritabilidade, dificuldade de concentração, sonolência, diminuição do ritmo cardíaco e da pressão arterial, aumento do apetite e do peso, entorpecimento motor, aumento da tensão muscular, etc., são os principais sintomas com que um fumador tem de lidar quando decide deixar de fumar. A maioria destes sintomas atenuará ou diminuirá significativamente de intensidade dentro de 4 semanas, com excepção da sensação de fome e do desejo de fumar, que pode durar 6 meses ou mais. Para além de tudo isto, devemos compreender que em muitos casos fumar torna-se um ato de socialização ou de interação com as pessoas à nossa volta, e torna-se parte da nossa rotina diária. Como qualquer outro comportamento viciante, deixar de fumar e perseverar nisso é particularmente difícil.

Apenas 10% das pessoas que tentam por conta própria conseguem deixar de fumar, enquanto a taxa de cessação aumenta para quase 60% nos que utilizam programas estruturados de cessação do tabagismo (4).

E o CBD é viciante?

O vício é a necessidade urgente ou compulsiva de voltar a tomar uma droga para experimentar a recompensa que produz; droga é qualquer substância natural ou sintética que gera, no caso da nicotina: estimulação, euforia, prazer, aumento da atenção, concentração e memória, bem como diminuição da ansiedade, stresse e apetite. Quando uma substância produz alterações físicas diretas a nível fisiológico, é produzida uma dependência física da mesma para manter um estado normal. Portanto, no momento em que paramos de consumi-la, podem ocorrer danos porque o corpo se acostumou a ela, o que dá origem a sintomas de abstinência. Além disso, a tolerância ocorre frequentemente, uma vez que doses cada vez mais elevadas são necessárias para alcançar o efeito desejado ou para manter o estado normal do organismo (5). 

Por outro lado, também pode ocorrer dependência psicológica, que envolve um desejo mental pela substância, o que faz com que a pessoa acredite que precisa realmente dela, quando não é esse o caso. Este desejo ocorre principalmente pela experiência dos seus efeitos agradáveis, prazerosos e/ou evasivos. Contudo, se a utilização cessasse, não haveria síndrome de abstinência, uma vez que a substância não produziu quaisquer alterações físicas notáveis a nível fisiológico e não foi gerada qualquer tolerância (5). 

O CBD tem demonstrado ser uma substância que não produz qualquer dependência física ou tolerância.

O CBD tem demonstrado ser uma substância que não produz qualquer dependência física ou tolerância. Embora seja uma molécula que interage com recetores canabinóides e produz efeitos farmacológicos, não produz tolerância ou alterações físicas que conduzam à retirada. A dependência psicológica não está isenta em caso algum, nem para o CBD nem para qualquer outra substância, pois é marcada por factores psicológicos e hábitos de consumo implícitos a cada indivíduo (6). 

Óleo de CBD para deixar de fumar: É útil? Como é que funciona?

Como já vimos anteriormente, deixar de fumar pode ser um grande desafio devido a vários fatores, mas principalmente devido à abstinência de nicotina. Os sintomas de abstinência incluem o aumento da irritabilidade, ansiedade e stresse. Ver o nosso artigo sobre os efeitos do CBD no stresse.

O CBD pode melhorar estes sintomas diretamente, uma vez que é capaz de ativar o recetor 5-HT1A, o que pode levar ao aumento da ação do neurotransmissor serotonina envolvido em efeitos ansiolíticos e de aumento do humor. Além disso, também ficou demonstrado que melhora a qualidade do sono ao facilitar o descanso e reduzir o nível de stresse durante a abstinência (7).

Durante o processo de abstinência, podem também ocorrer certos processos inflamatórios nos pulmões e dores de cabeça, no que o CBD pode ser um aliado, dadas as suas caraterísticas analgésicas e imunomoduladoras. Embora não tenham sido publicados estudos importantes para avaliar a ação direta do CBD na cessação do tabagismo, existem algumas indicações que indicam uma melhoria no processo de cessação do tabagismo e uma possível redução da recaída do tabaco (7). 

Com base em todos estes argumentos, podemos argumentar que o CBD poderia ser um aliado na cessação do tabagismo, e atuar como um adjuvante no caso de um bom planejamento com terapia farmacológica anti-tabaco.

Bibliografia:

  1. https://medlineplus.gov/spanish/ency/article/002032.htm
  2. https://pnsd.sanidad.gob.es/ciudadanos/informacion/tabaco/menuTabaco/efectos.htm
  3. Edler von Eyben et al. Riesgos para la salud derivados del consumo voluntario de tabaco; Rev. Esp. Salud Publica vol.77 no.1 Madrid ene./feb. 2003
  4. J. Pozuelo et al. Farmacología de la nicotina; Rev. Medicina integral Vol. 35 no. 9 pág. 409-417 Mayo 2000
  5. Antonia Garrote, Ramón Bonet; Tabaquismo y adicción tabáquica; Rev. Edu. Sanitaria, Ámbito Farmacéutico. Vol. 21. No. 1 pág. 66-73; Enero 2013
  6. https://www.institutocastelao.com/adicciones-diferencia-entre-dependencia-fisica-y-psicologica/
  7. https://nuevo.thebeeminelab.com/oms-sobre-el-uso-de-cbd/
  8. Resstel, Leonardo B M et al. “5-HT1A receptors are involved in the cannabidiol-induced attenuation of behavioural and cardiovascular responses to acute restraint stress in rats.” British journal of pharmacology vol. 156,1 (2009): 181-8. doi:10.1111/j.1476-5381.2008.00046.x
  9. Morgan CJ et al. Cannabidiol reduces cigarette consumption in tobacco smokers: preliminary findings. Addict Behav. 2013 Sep;38(9):2433-6. doi: 10.1016/j.addbeh.2013.03.011. Epub 2013 Apr 1. PMID: 23685330.

O óleo de CDB tem múltiplas propriedades benéficas para o bem-estar, oferecendo alívio, calma e reparação para peles sensíveis, e o seu ingrediente activo tem provas para apoiar a sua utilização para o stress, sono ou dor. O óleo de CBD em Espanha foi aprovado através de canais legais que foram certificados, tais como a venda de óleo de CBD em farmácias e pontos de venda de produtos à base de cânhamo (estes são constantemente supervisionados para assegurar que o produto tem uma qualidade óptima e está isento de THC ou contém menos de 0,02% deste componente).

¿Dónde comprar aceite de cannabidiol?

Se estiver a pensar onde comprar óleo de canabidiol, nós vamos dizer-lhe.

Como o óleo de CDB deve ser legalmente certificado em Espanha, é permitido ser adquirido em farmácias, lojas especializadas em CDB ou cânhamo, comércio electrónico e em centros comerciais, em formatos cosméticos tais como creme ou óleo corporal.

Recomenda-se geralmente ir a estes centros autorizados para aconselhamento sobre o produto a comprar, como a CDB nas farmácias, pois caso contrário poderia cometer o erro de os comprar em centros de regularização duvidosa, lojas que fornecem informações falsas ou não efectuam as análises pertinentes. Não se preocupe com o formato, nas farmácias pode encontrar CDB em gotas (óleos de CDB) ou em cremes para uso tópico.

Se os comprar em locais de origem duvidosa, corre o risco de comprar um produto mal formulado, com a dosagem errada de CDB, elevado em THC, ou com ingredientes tóxicos que podem causar desconforto ou problemas de saúde.

Para ser mais explícito, podemos comprar óleo de CDB:

Lojas online. A partir de uma loja online espanhola. Normalmente entregam rapidamente e com preços muito atractivos.
Farmácias. Em qualquer farmácia em Espanha, mesmo na aldeia mais remota de Soria, pode encomendar os produtos do The Beemine Lab's CBD indicando o código nacional do produto.
Lojas físicas. Pode ser comprado em lojas físicas aprovadas, ervanárias e outras pequenas lojas.

Porquê comprar CDB nos Laboratórios Beemine?

No The Beemine Lab pode encontrar produtos CBD produzidos em Espanha, utilizando ingredientes isentos de toxinas e pesticidas, com materiais recicláveis para serem mais amigos do ambiente. Além disso, doamos 10% dos nossos lucros para aumentar e proteger a população de abelhas, um insecto essencial para a polinização e que se encontra em perigo de extinção.

Além disso, a nossa equipa colabora com uma comunidade de especialistas para fornecer o mais alto nível de qualidade e transparência na informação que oferecemos através dos nossos canais.

Benefícios das quedas da CDB

O Cannabidiol (ou CBD) é um composto presente na planta de Cannabis sob a forma de um fitocanabinóide. No entanto, não é exclusivo desta planta, uma vez que o nosso organismo também tende a gerar compostos semelhantes naturalmente (endocanabinóides) que, através de receptores, podem ser regulados e activados pela CDB.

O sistema endocannabinoide é responsável pela homeostase, ou seja, tenta alcançar o equilíbrio ou regulação das funções fisiológicas do corpo humano tais como a dor, stress, produção celular, sono, gordura ou apetite, entre outros.

Os receptores responsáveis pela recepção do canabidiol são o CB1 e o CB2, o TRPV e o GPR55 que, juntamente com o CBD, actuam directa ou indirectamente sobre o sistema digestivo, o sistema nervoso central e periférico, o sistema reprodutivo, etc., ajudando o corpo a manter um estado de equilíbrio.

Se falarmos da variante da CDB em óleo, estes são ideais para cuidar do nosso corpo e bem-estar da pele, pois proporcionam alívio, calma e hidratação.

Como funcionam os óleos da CDB?

Por enquanto, em Espanha, a CBD é regulada apenas para uso dermo-cosmético, oferecendo:

Mas há ainda muito a descobrir sobre este canabinóide, o que poderia influenciar uma vasta gama de processos. A investigação ainda está em curso, mas a Organização Mundial de Saúde enumera uma lista de doenças para as quais o Cannabidiol poderia ser benéfico, incluindo as seguintes propriedades:

elige el aceite de cbd para tu bienestar

Porquê utilizar óleos de CDB do The Beemine Lab?

Os nossos óleos de canabidiol são testados em laboratórios externos.

Somos pioneiros na concepção e desenvolvimento de CDB e produtos de mel. Trabalhamos com ingredientes 100% naturais, sem toxinas ou pesticidas e os nossos produtos são fabricados inteiramente em Espanha. A embalagem da nossa linha de produtos é também concebida com materiais recicláveis.

Como já mencionámos, doamos parte dos nossos lucros para a manutenção e reprodução de abelhas. Também trabalhamos com uma comunidade de especialistas em Canábis Médico para fornecer aos nossos clientes a mais alta qualidade e transparência dos nossos produtos.

Mas, se nos concentrarmos no nosso óleo CBD, na nossa loja temos produtos de várias concentrações e adaptados às necessidades e experiência do utilizador. Os óleos da CDB que oferecemos:

Mesmo assim, devem ser tomadas algumas precauções ao utilizar os nossos produtos, tais como não serem recomendados para pessoas alérgicas a alguns dos componentes.

Do mesmo modo, a CDB não produz dependência ou tolerância, nem o uso externo do óleo aumenta os níveis de canabidiol no sangue.

Entre os ingredientes básicos que encontrará nos nossos produtos:

Descubre el cbd a través de las gotas de cbd

Porque é que as farmácias confiam no The Beemine Lab CBD Oil?

Como já salientámos, pode comprar o nosso óleo CBD nas farmácias para uma vasta gama de concentrações e preços, uma vez que a venda nestes estabelecimentos em Espanha é completamente legal e, além disso, tem uma série de vantagens:

O número de produtos contendo CDB no mercado está a aumentar. De acordo com uma análise efectuada no Google Trends em 2019, foram efectuadas cerca de 6,4 milhões de pesquisas relacionadas com a CDB. Além disso, estima-se que a CDB tenha produzido em 2020 um crescimento de até 16% e lucros de 64 mil milhões de dólares.

O maior crescimento tem sido observado em produtos como cremes tópicos, aplicações de saúde sexual e tratamentos de cabelo e pele. Estes dados são a melhor representação da razão pela qual as farmácias e outros estabelecimentos estão a apostar na venda e promoção de produtos como óleo ou cremes de CBD.

Além disso, a venda de produtos do The Beemine Lab permite-lhe:

Para além de tudo isto, as gotas de oil da CDB são também suficientemente apoiadas por estudos e investigações, bem como têm a aprovação de organizações internacionais como a OMS e a União Europeia para a sua venda e consumo. Por outras palavras, são produtos seguros que, graças aos seus efeitos na saúde, são adequados para venda em farmácias.

Possíveis efeitos adversos

Os efeitos adversos são geralmente leves a moderados em intensidade e podem incluir cansaço, sonolência, boca seca, tonturas e diminuição do apetite. Pode

Conclusão

Como pode ver, o óleo de CDB tem múltiplos benefícios para o nosso corpo e estado de espírito e disposição, por isso não é surpreendente que possamos encontrar óleos de CDB em farmácias.

O Laboratório Beemine está empenhado no cliente, oferecendo produtos naturais e as garantias de aplicação de um produto totalmente sustentável, saudável, seguro e eficaz, pelo que é lógico que os nossos produtos possam ser encontrados em farmácias, sob a forma de óleo de CDB ou cremes tópicos.

Bibliografia:

  1. ElSohly M.A., et al. Phytochemistry of Cannabis sativa L.Phytocannabinoids. Progress in the Chemistry of Organic Natural Products, vol 103. Springer, Cham. 2017. Print.
  2. Booth, Martin. “Cannabis: A History”. 1st Picador ed. New York: Picador, 2005. Print.
  3. Fundación Canna.”El sistema endocannabinoide“. 2016. Web.
  4. Kaplan, Josh (Kalapa Clinic) “CBD as preventative medicine” 2018. Web
  5. Atakan, Zerrin. “Cannabis, a complex plant: different compounds and different effects on individuals”. Therapeutic advances in psychopharmacology vol. 2,6: 241-54. 2012. Web.
  6. Bridgeman, Mary Barna, and Daniel T Abazia. “Medicinal Cannabis: History, Pharmacology, And Implications for the Acute Care Setting.” P & T : a peer-reviewed journal for formulary management vol. 42,3: 180-188. 2017. Print/Web.
  7. Mounessa, Jessica S. et al. “The role of cannabinoids in dermatology” Journal of the American Academy of Dermatology, Volume 77, Issue 1, 188 – 190. 2017. Print/Web.
  8. Pamplona, FA et al., Potential clinical benefits of CBD-rich Cannabis extracts over purified CBD in treatment-resistant epilepsy: observational data meta-analysis” 2018
  9. J Koehler,“Who benefits most from THC: CBD spray? Learning from clinical experience”  2014

La planta de Cannabis Sativa L produce diferentes compuestos entre los cuales destacan los cannabinoides, casi totalmente exclusivos de esta especie. El Cannabidiol, conocido por sus siglas CBD, es uno de los dos principales (junto con el Tetrahidrocannabinol o THC) entre los más de 120 que se presentan en la planta.

Los fitocannabinoides como el CBD son moléculas que contienen varias propiedades terapéuticas, entre los más estudiados son sus efectos antiinflamatorios, antioxidantes, analgésicos, neuroprotectores y ansiolíticos.

¿Cuál es la diferencia entre THC y CBD?

El CBD y THC son los cannabinoides más presentes en la planta del Cannabis Sativa L. Sin embargo, el CBD ocupa un potencial terapéutico más interesante al no tener la psicoactividad atribuida al THC.

Eso no significa que el THC no tenga un gran poder terapéutico. La diferencia principal es que la psicoactividad del CBD está caracterizada por sus propiedades ansiolíticas, debido a su modulación de nuestros receptores CB1 en el cerebro. Esta propiedad antagoniza los efectos psicoactivos menos deseados del THC para algunos pacientes y grupos de edad.

Otra diferencia es que el CBD no provoca adicción, al contrario, es un gran aliado para dejar de fumar o reducir el consumo de otras sustancias adictivas, al intervenir en el proceso de recompensa de nuestro cerebro y reducir la ansiedad de los periodos de abstinencia.

Varios investigadores estudian la unión entre diferentes cannabinoides como el CBD y THC en distintos ratios para lograr terapias nuevas para distintas enfermedades.

¿De dónde proviene el CBD?

Antes de hablar sobre el CBD tendremos que hablar de la planta de Cannabis Sativa L, una planta que lleva miles de años siendo utilizada por razones medicinales, terapéuticas y espirituales. La doctora Cristina Sánchez, Profesora Titular de Bioquímica y Biología Molecular de la UCM, eminencia científica en cannabinoides especializada en cáncer de mama y parte del Observatorio Español de Cannabis Medicinal describe al Cannabis como “una farmacia entera en una planta.”

molécula estructural de CBD
Molécula estructural de CBD

La planta del Cannabis Sativa L contiene más de 500 compuestos naturales (terpenos, flavonoides y más) y más de 120 cannabinoides. El CBD es una de estas moléculas que proviene de la flor de la planta, con varias propiedades terapéuticas. Otros cannabinoides que llevan años siendo estudiados son el THC, CBN, CBG, CBC y muchos más.

La historia del CBD ¿Cuándo se descubrió?

Los seres humanos llevamos miles de años utilizando el Cannabis de forma industrial para hacer textiles, lienzos, papeles y de forma medicinal también. Hasta el siglo XIX el Cannabis se cultivaba regularmente y hasta se podían encontrar extractos en las farmacias de varias ciudades de Europa.

La campaña de prohibición, liderada por el gobierno de los Estados Unidos desde los años 30, bloqueó los avances y usos del Cannabis por intereses políticas y sociales de carácter racista (principalmente para poder justificar una lucha contra la comunidad negra y, más tarde, el movimiento hippie) y por intereses económicas (exportación de algodón y nylon).

El gobierno de EEUU empezó entonces a invertir en estudiar la planta para poder afirmar sus propiedades peligrosas, consiguiendo demostrar lo opuesto. Así hallaron un alto valor terapéutico y una de peligrosidad muy baja en la planta del Cannabis.

No obstante las evidencias científicas y sin ninguna justificación plausible, desde 1961 (Convención única de 1961) el Cannabis está clasificado como sustancia de máximo riesgo y sin ningún valor terapéutico.

En este marco legal era casi imposible poder investigar la planta del Cannabis tanto en Estados Unidos como en Europa, pero en los años 60 en Jerusalén un investigador, Raphael Mechoulam aisló y sintetizó las estructuras del THC y el CBD.

A raíz de este descubrimiento empezaron diferentes investigaciones sobre las propiedades terapéuticas de los cannabinoides, lo que llevó en los años 90 a descubrir que los cuerpos humanos y animales poseen unos receptores específicos para cannabinoides y que además producen unos cannabinoides propios.

Si no sabes que es el Sistema Endocannabinoide echa un vistazo a nuestro artículo sobre los básicos del Sistema Endocannabinoide.

Pero entonces ¿por qué ahora se habla tanto del CBD?

En los últimos 20 años la investigación ha ido aumentando, pero casi exclusivamente a través de estudios de laboratorio in vitro e in vivo sobre moléculas aisladas, mientras que los estudios en humanos se han concentrado sobretodo en casos de enfermedades terminales y como tratamiento paliativo (en particular utilizando THC).

El CBD empezó a tomar un rol importante gracias al descubrimiento de sus propiedades relajantes y antiespasmódicas, lo que llevó a patentar el Sativex, un medicamento a base de THC y CBD recetado por algunos síntomas de la Esclerosis Múltiple.

Pero lo que ha cambiado radicalmente la visión sobre el Cannabis y ha impulsado los centenares de estudios que existen sobre CBD es la historia de Charlotte Figi, una niña estadounidense que desde los pocos meses de edad padeció el Síndrome de Dravet, una rara forma de epilepsia infantil intensa y frecuente que resiste a los tratamientos farmacológicos y causa hasta 400 crisis semanales y la muerte en pocos años.

Ante la falta de respuesta a los fármacos y con Charlotte casi totalmente incapacitada, su familia decidió suministrarle de forma ingerida aceite de Cannabis de CBD y el resultado fue impensable: las crisis se redujeron hasta 3 o 4 por mes sin necesidad de tomar ninguna medicación más y la niña empezó a caminar, alimentarse por sí sola y a desarrollar sus funciones cognitivas. En los últimos años Charlotte logró vivir totalmente libre de crisis pero lamentablemente falleció en Abril 2020 por consecuencias de una neumonía a la edad de 13 años.

La historia de Charlotte ha provocado un aumento exponencial en la investigación sobre el CBD que ha llevado a descubrir, además de las propiedades antiepilépticas y antiespasmódicas, su efecto ansiolítico, antiinflamatorio, analgésico y neuroprotector.

La cumbre llegó durante el Comité Experto en Drogodependencia en 2017 en el cual la OMS ha declarado que el Cannabidiol (CBD),  no es “ni adictivo ni nocivo para la salud” y que cuenta con un gran potencial terapéutico y medicinal, recomendando a las Naciones Unidas una reclasificación de la planta del Cannabis y una consecuente regularización por parte de cada estado.

¿Cuáles son los beneficios del CBD?

Propiedades terapéuticas

Las propiedades del CBD o cannabidiol más importantes a nivel terapéutico son, demostradas con distinta calidad de evidencia son:

Enfermedades para las que puede ser beneficioso

El CBD ha sido estudiado para tratar una variedad de enfermedades y aflicciones como:

COMO O CBD AFETA O NOSSO CORPO?

Com relação aos outros principais fitocanabinóides (o THC, o CBG, o CBC, o CBN, o THC ...) que se caracterizam por estimular ou inibir diretamente os receptores do ECS, o CBD se comporta de forma muito diferente, pois sua forma de atuação é caracterizada por ser mais indireta e permitir que o ECS aumente sua atividade.

Pode-se definir que o CBD encarrega-se da modulação do ECS, ou seja, ele se “disponibiliza” variando sua atividade de acordo com as necessidades do momento e atuando de forma mais indireta, permitindo assim que o ECS melhore a sua eficácia.

Em particular, o CBD desempenha um papel fundamental na regulação e modulação dos processos inflamatórios e de recuperação funcional, além de facilitar o relaxamento físico e mental.

Raphael Mechoulam diz que quase todas as doenças podem ter origem em uma desregulação ou desequilíbrio do sistema endocanabinóide. Em uma publicação de 2014, os cientistas afirmaram que "a modulação da atividade do sistema endocanabinóide pode ter potencial terapêutico em quase todas as doenças que afetam os seres humanos." 

POR QUE O CBD FUNCIONA EM NOSSO CORPO

Por meio de estudos sobre os fitocanabinoides, descobriu-se que os corpos humanos e os animais vertebrados possuem o sistema endocanabinóide (ECS). É por isso que também existem produtos de CBD com fórmulas adequadas para o tratamento dessas mesmas doenças em animais de estimação.

Um sistema complexo de comunicação intercelular, semelhante a um sistema de neurotransmissão, que além de se espalhar pelo cérebro, também se estende a outros órgãos e tecidos do corpo.

A sua responsabilidade é equilibrar os processos metabólicos e otimizar as funções do nosso corpo, e desempenha um papel crucial na regulação da nossa fisiologia, do nosso humor e da nossa experiência cotidiana.

QUANTO TEMPO DEMORA O CBD A FAZER EFEITO 

O período de tempo em que o CBD começa a fazer efeito em nosso corpo depende muito do formato em que é consumido.

Os mais rápidos e eficazes são aqueles produtos que liberam a substância tão rapidamente em nossa corrente sanguínea como os Óleos do CBD para uso sublingual, que podem agir em cerca de 5 a 10 minutos. O mesmo ocorre com os adesivos transdérmicos, mas sua liberação é constante e equilibrada, de modo que os efeitos são percebidos de forma contínua e mais moderada.

O uso dermocosmético, por exemplo, pode demorar em equilibrar e reduzir as aflições, pois não penetra diretamente na corrente sanguínea e para problemas graves de pele requer consistência e estabilidade no tratamento até obter um resultado final.

COMO USAR O CBD?

Os dois formatos mais comuns de uso de CBD são:

USO TÓPICO

Na Espanha, o uso de CBD é regulamentado como uso tópico que se encontra em bálsamos, pomadas, óleos e cremes. Temos uma grande quantidade de receptores de CBD em nossa pele, músculos e articulações, por isso é amplamente eficaz. Podes administrar o CBD na pele nas áreas afetadas pela inflamação e doenças como vermelhidão, acne, eczema ou psoríase.

USO SUBLINGUAL

O uso sublingual atua globalmente em nosso corpo através dos vasos sanguíneos na mucosa da boca, portanto algumas gotas de óleo de CBD ou outros produtos semelhantes, como comprimidos orodispersíveis, geralmente são aplicados sob a língua. Os óleos de CBD são uma mistura de CBD com um óleo veicular, como óleo de semente de cânhamo ou óleo de coco.

Na Espanha, esse uso não é regulamentado, no entanto, nos EUA, Canadá, Reino Unido, Alemanha, Itália ou Suíça é usado como suplemento dietético, e o uso sublingual é recomendado para aumentar e otimizar os efeitos do óleo de CBD para desconforto ou problemas de ação não local.

Existem outros tipos de usos e formatos que podes consultar em nosso artigo: qual é a melhor forma de usar o CBD?

COMO TE FAZ SENTIR O CBD?

O efeito do CBD pode variar em cada pessoa, embora seja caracterizado por uma leve sensação de tranquilidade e relaxamento tanto física quanto mental, sem ter o efeito psicotrópico relacionado ao THC.

No nível físico, se parece com uma sensação de relaxamento após ter recebido uma massagem, enquanto a nível mental assemelha-se à sensação de alívio e calma que ocorre quando passamos de uma situação muito ruidosa para o silêncio quase total.

Alguns usuários também o descrevem como a simples ausência dos sintomas ou desconforto de suas aflições ou doenças.

Los efectos secundarios del CBD

El CBD es una sustancia segura que carece de efectos adversos particulares o de intensidad grave. Los efectos secundarios del consumo ingerido de CBD suelen ser de intensidad moderada-leve, se reducen una vez se deja de utilizar el producto y podrían incluir: cansancio, somnolencia, sequedad de boca, mareos y disminución del apetito.

Contraindicaciones del CBD

En la actualidad tan solo existen algunas publicaciones sobre cómo el CBD puede interaccionar con otros fármacos, pero hay una amplia falta de estudios clínicos. Hasta el momento las investigaciones concluyen que el CBD puede ralentizar la absorción de otras sustancias por lo tanto no se recomienda combinar el CBD con otras medicaciones.

Tampoco existen investigaciones clínicas sobre como el CBD puede afectar durante la gestación y lactancia por lo tanto no se recomienda utilizar el CBD a personas durante el embarazo o drante el proceso de lactancia. 

Legalidad del CBD

El CBD es legal en España. Pueden cultivarse cáñamo industrial siempre y cuando las cepas no superen una concentración de 0,2% de THC entre sus cannabinoides. Sin embargo a nivel comercial está restringido el uso interno, por lo tanto no pueden comercializarse los productos para uso ingerido o sublingual. Debido a esta normativa todos los productos comercializados en España son exclusivamente para uso externo y clasificados como cosméticos.

¿Dónde comprar CBD?

Los productos con CBD se pueden encontrar en tiendas online, herbolarios, farmacias  y tiendas especializadas en CBD u otros derivados del Cannabis.

Bibliografía:

ElSohly M.A., et al. Phytochemistry of Cannabis sativa L.Phytocannabinoids. Progress in the Chemistry of Organic Natural Products, vol 103. Springer, Cham. 2017. Print.

Booth, Martin. “Cannabis: A History”. 1st Picador ed. New York: Picador, 2005. Print.

Fundación Canna."El sistema endocannabinoide". 2016. Web.

Kaplan, Josh (Kalapa Clinic) “CBD as preventative medicine” 2018. Web

Atakan, Zerrin. “Cannabis, a complex plant: different compounds and different effects on individuals”. Therapeutic advances in psychopharmacology vol. 2,6: 241-54. 2012. Web.

Bridgeman, Mary Barna, and Daniel T Abazia. “Medicinal Cannabis: History, Pharmacology, And Implications for the Acute Care Setting.” P & T : a peer-reviewed journal for formulary management vol. 42,3: 180-188. 2017. Print/Web.

Mounessa, Jessica S. et al. “The role of cannabinoids in dermatology” Journal of the American Academy of Dermatology, Volume 77, Issue 1, 188 - 190. 2017. Print/Web.

Pamplona, FA et al., "Potential clinical benefits of CBD-rich Cannabis extracts over purified CBD in treatment-resistant epilepsy: observational data meta-analysis" 2018

J Koehler,"Who benefits most from THC: CBD spray? Learning from clinical experience"  2014

usercartmagnifiercrosschevron-downplus-circle
0
    0
    O meu carrinho
    O carrinho está vazioVoltar à loja